Notícias

Inflação do aluguel desacelera em novembro, diz FGV

No ano, IGP-M acumula alta de 5,22% e, em 12 meses, de 5,95%.
Inflação no atacado teve recuo ainda maior no mês.

A inflação do aluguel, medida pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado para reajustar a maioria dos contratos imobiliários, desacelerou de 0,53% em outubro para 0,50% em novembro, segundo informou, nesta terça-feira (29), a Fundação Getulio Vargas (FGV). No ano, o índice acumula alta de 5,22% e, em 12 meses, de 5,95%. Em outubro, o IGP-M apresentava alta de 4,70% no ano e, em 12 meses, de 6,95%.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que faz parte do cálculo do IGP-M e é conhecido como a inflação do atacado, teve recuo mais forte, passando de 0,68% para 0,52%.

Também usado para calcular a inflação do aluguel, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) não seguiu o comportamento dos outros índices e acelerou de 0,26% para 0,43%. Das sete classes de despesa que integram o IPC, três tiveram alta nas taxas de variação, com destaque partindo de alimentação (de -0,09% para 0,52%). As maiores influências partiram de hortaliças e legumes (de -5,92% para 1,58%), frutas (de -0,85% para 0,72%) e carnes bovinas (de 0,86% para 1,95%).

Seguindo a mesma tendência estão os grupos de despesas com educação, leitura e recreação (de 0,21% para 0,46%) e vestuário (de 0,74% para 0,76%), com destaque para os preços de passagem aérea (de 7,20% para 9,10%) e roupas femininas (de 0,84% para 1,23%).

Na contramão, com alta menor de preços ou até baixa, estão os grupos habitação (de 0,61% para 0,53%), transportes (de 0,00% para -0,06%), despesas diversas (de 0,25% para 0,23%) e saúde e cuidados pessoais (de 0,38% para 0,37%), com destaque para taxa de água e esgoto residencial (de 2,14% para 0,00%), gasolina (de -0,14% para -0,64%), alimento para animais domésticos (de 1,96% para -0,24%) e dentista (1,29% para 0,11%).

Custo da construção
Em novembro, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) acelerou para 0,50%, acima da taxa de outubro, de 0,20%. Dos três grupos componentes do índice, dois aceleraram. A taxa do grupo materiais e equipamentos passou de 0,23% para 0,26%, enquanto a do grupo mão de obra avançou de 0,16% para 0,73%. Em sentido oposto, o grupo serviços apresentou desaceleração, tendo a taxa recuado de 0,34% para 0,30%.